Mãe sim, baterista com orgulho

“O segundo domingo de maio é consagrado às mães, em comemoração aos sentimentos e virtudes que o amor materno concorre para despertar e desenvolver no coração humano, contribuindo para seu aperfeiçoamento no sentido da bondade e da solidariedade humana.” Este foi o texto do decreto assinado por Getúlio Vargas em maio de 1932.

De lá para cá a sociedade vem passando por mudanças. O número de mulheres que passaram a assumir a responsabilidade financeira da casa aumentou consideravelmente e a renda gerada, passa a ser fundamental – se não for a única – dentro do orçamento familiar.

A maternidade, durante séculos, foi a principal atividade da mulher, que atualmente vem adiando essa função, ou limitando o número de filhos. Mesmo com a mudança comportamental, o desafio de conciliar a maternidade e a profissão é ainda um desafio para muitas. Muitas vezes é necessário que a mãe reduza sua carga horária no trabalho para dar conta da maternidade, ou ainda enfrente barreiras para se consolidar na carreira.

Um desafio para algumas mulheres e mães é levar adiante o sonho da música em instrumentos comandados por homens. Na bateria por exemplo, já temos mulheres assumindo o posto, mas ainda não dominam o mercado e poucas são mães. Diz que a primeira mulher baterista surgiu no século XIX, mas somente em 1920 que conhecemos a primeira com carreira profissional nesse instrumento, Viola Smith que faleceu com 107 anos em 2020.

A bateria é dominada por homens, seja em nível nacional ou mundial. Mas é um mercado que vem mudando. Hoje, muitas bateristas são muito reconhecidas, e cuja qualidade quebra qualquer preconceito. Mas ainda, poucas são as que conciliam a vida nas bandas e a maternidade.

É o caso da professora de bateria da Academia do Rock de Curitiba, Shirley Granato, mãe de uma menina de 20 anos e de um menino de 13. “Sou musicista desde sempre, tentei tocar todos os tipos de instrumentos, mas minha paixão é a bateria. Hoje, se olhar as bandas, é um número reduzido de mulheres, ainda mais mães que estão no coração da banda, que é a bateria”, comenta. Atualmente, além de ensinar bateria para crianças, jovens e adultos, Shirley também toca em bares e na banda Originais do Rock, onde é a única mulher e mãe na banda.

Na maternidade Shirley comenta que a música influencia em todas as relações. “A música é tudo na nossa vida, ajuda tanto nos momentos mais tensos, nos tristes e nos alegres. É o momento que extravasamos as emoções”, afirma.  Os filhos têm o contato direto com a música, afinal cresceram com a mãe tocando, mas nenhum dos dois seguem os passos da professora de música. “Iniciei com as crianças na musicalização infantil para que tivessem contato com os instrumentos e os vários ritmos. Mas quando percebi que a música estava virando uma obrigação, não forcei. Pois a música tem que ser prazer, emoção”, salienta.

“Até hoje ainda tem gente que se surpreende quando comento que dou aula de bateria, ou ainda que toco bateria na banda de rock. Chega a ser engraçado, pois o imaginário das pessoas a respeito da música e principalmente do rock é incrível”, relembra Shirley

Para a aluna da Academia do Rock de Vitória (ES), Maria da Penha Lyrio Coutinho tocar bateria é um desafio e uma superação diária. “Meu filho hoje já é adulto e sempre conviveu comigo sabendo que sou apaixonada pelo Rock, principalmente Heavy Metal. E meu ídolo é Eric Singer, baterista da banda Kiss”, conta. A aluna conta que ganhou bateria do marido, mas não tinha ideia de onde aprender a tocar na capital capixaba, pois é um estado onde o Rock ainda não predomina. “A bateria foi ficando parada. Até que descobri que havia inaugurado uma academia de rock na cidade. Não pensei duas vezes, me matriculei e estou lá tirando minhas primeiras músicas e treinando diariamente em casa”, enaltece Maria da Penha.

“Meu filho é um dos meus maiores incentivadores”, se orgulha Maria da Penha. “Hoje ele reside no Rio de Janeiro, e no último feriado esteve comigo e me perguntou quando eu iria aprender bateria. Brinquei com ele: tá atrasado! Já aprendi e logo estou em banda”, brinca. A aluna, que foi professora de artes, incentiva que as mães encontrem na música uma motivação. “Independente do estilo preferido, aprender um instrumento musical motiva para as atividades diárias. A cabeça fica ativa, a alegria transborda. Acredito que todas as mães e mulheres deveriam ter essa experiência”, finaliza.

O aprendizado do rock também deixou de ser tabu. “Hoje os alunos da Academia do Rock, seja em Curitiba ou nos estados que temos franquia, abraça todo o tipo de público, com diversas mães aprendendo a tocar todos os tipos de instrumentos”, comenta Marcelo Freitas, fundador da Academia do Rock. “Algumas mães primeiro acompanham os filhos nas aulas e na sequência, por admirar uma banda em específico, acabam fazendo a aula, se inspirando e acabam sendo bem mais assíduas que os filhos”, avalia.

Hoje, a Academia do Rock está presente em Curitiba, São Paulo (capital), em todo os ABC, Campinas (SP) e Vitória (ES) com mais de 1.400 alunos, destes 32% mulheres, e 12% mães.

A Rádio Sem Fronteiras

Deixe um comentário