Evento marca a Semana Nacional de Luta da População em Situação de Rua

Idealizado pelo Instituto LAR, “Cultura de Rua” acontece no dia 18 de agosto no Centro de Teatro do Oprimido, na Lapa, com diversas atividades artísticas, culturais e sociais

As pessoas em situação de rua sofrem com dilemas e problemas seríssimos e imediatos, contudo, os mais graves são a indiferença e a falta de oportunidades, pois estes fatores inviabilizam toda uma vida. No dia 18 de agosto, sexta-feira, a partir das 10h, o Instituto LAR e seus parceiros realizam uma série de ações em alusão ao Dia Nacional de Luta da População em Situação de Rua (19). Trata-se da segunda edição do “Cultura de Rua”, no Centro de Teatro do Oprimido, na Lapa. Será um dia de atividades artísticas, culturais e sociais para as pessoas em situação de rua, com alimentação, vacinação, massagem, oficinas de música, poesia, saúde, geração de renda, brincos e tranças

Luta e memória

O dia 19 de agosto é o Dia Nacional de Luta da População em Situação de Rua em memória ao “Massacre da Sé”, em 2004, quando sete pessoas foram assassinadas e oito ficaram gravemente feridas enquanto dormiam na região da Praça da Sé, capital paulista. Este fato deu início à mobilização de grupos da população em situação de rua para construir o Movimento Nacional da População de Rua, em uma contínua luta pela garantia de direitos.

Por cidadania e direitos

No dia 06 de julho, a presidente do Instituto LAR, Ana Paula Rios, esteve presente no lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos da População em Situação de Rua, que aconteceu em Brasília com a presença do ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida. Na ocasião, ele defendeu a concentração de esforços para a promoção, garantia e defesa de direitos a essa população, e ressaltou que se uma pessoa está em situação de rua, ela não tem cidadania nem direitos.

Em uma década, de 2012 a 2022, o crescimento desse segmento da população foi de 211%. Trata-se de uma expansão muito superior à da população brasileira na última década, de apenas 11% entre 2011 e 2021, na comparação com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

– Estar em situação de rua é estar em uma situação permanente de violação de direitos humanos, esse é o ponto que nós temos que estabelecer aqui. Trata-se de uma situação que precisa mudar, não pode continuar. Nossa luta é para que não haja pessoas nessa situação – disse o ministro.

Instituto LAR

O Instituto LAR é uma organização não governamental que atua desde 2016 na reinserção e emancipação das pessoas em situação de rua na sociedade, por meio da garantia aos direitos constitucionais e ao mercado de trabalho promovendo diversas ações. Para isso, oferece acesso digno com atendimentos individuais e em grupo nas áreas de psicologia, serviço social, assistência jurídica, empregabilidade, arteterapia, atividades de prevenção ao uso de álcool e drogas, encaminhamentos para tratamento odontológico/oftalmológico com profissionais parceiros, promoção de palestras, rodas de conversa e atividades socioculturais, além do projeto de retorno à moradia.

Em 2022, o LAR (sigla de “Levante, Ande, Recomece”) ganhou o Prêmio Melhores ONGs, realizado pelo Instituto O Mundo que Queremos, pelo Instituto Doar e pelo Ambev VOA, com apoio da Fundação Getúlio Vargas (FGV), do Instituto Humanize e da Fundação Toyota do Brasil, na categoria ONGs de Pequeno Porte, entre mais de 800 mil que atuam no país. 


– A metodologia adotada tem o objetivo de direcioná-las à plena emancipação, desenvolvimento de cidadãos conscientes de suas capacidades para construirmos juntos uma sociedade mais justa, equilibrada e sustentável – explica Ana Paula Rios.


O Instituto LAR mantém seu funcionamento a partir da arrecadação de recursos por meio de campanhas e doações vindas de pessoas físicas e empresas. Mais informações sobre a iniciativa e como ajudar com alimentos, roupas, agasalhos, cobertores e demais doações, apoio ou no trabalho voluntário em www.institutolar.org.br

Programação:

Cultura de Rua – 18 de agosto de 2023

10h00 – Chegada com café da manhã.

10h00 às 12h00 – Oficinas simultâneas de música, brincos, tranças e poesia; massagem para os assistidos; participação da revista Traços com orientações e possibilidades para geração de renda; participação da Equipe da Saúde RJ com aplicação de vacinas e orientações.

12h30 às 13h30 – Almoço coletivo. 

14h00 – Apresentação de performance/Instituto Lar.

14h30 – Apresentação Grupo CTO.

Endereço do Centro de Teatro do Oprimido: Av. Mem de Sá, 31, Lapa, Centro, Rio de Janeiro – RJ.

Para saber como participar do evento e mais informações:

https://www.instagram.com/institutolar/

A Rádio Sem Fronteiras

Deixe um comentário